D’Alessandro: um camisa 10 para a posteridade no Inter

Seleção colorada

Escanteio contra o Inter. Manga deixa a meta com precisão. Rapidamente sai jogando com Figueroa. O chileno lança Carpegiani. Paulo César tabela com Falcão pelo meio. Grande lançamento do camisa 5 para D’Alessandro. D’Ale tabela com Valdomiro e recebe na ponta-direita. ‘La boba’ pra cima do lateral. Cruzamento com efeito. Fernandão sobe absoluto na segunda trave. Cabeceio perfeito e…  golaço! O que pode parecer utopia é apenas um justo reconhecimento ao capitão colorado que nesta semana completou incríveis 10 anos de serviços prestados ao alivirrubro.

Resumo da ópera

Seja pela excelência técnica, pela identificação com o clube e a torcida, pela liderança que exerce no vestiário ou pela dezena de títulos conquistados ― com destaque para a Libertadores 2010 ―, D’Alessandro é expoente no seleto grupo dos maiores jogadores da história do Inter. Mais do que isso. O argentino é titularíssimo da Seleção Colorada de todos os tempos. Ao menos para esse singelo pitaqueiro de futebol.

Idolatria

O argentino chegou ao Inter para suprir a lacuna que a saída de Fernandão havia deixado no Beira-Rio, tanto técnica, quanto de liderança. O camisa 10 cumpriu a árdua tarefa com louvores! Para quem ele deixará o bastão? Certamente é uma preocupação colorada…

Rivalidade

É claro que o argentino, às vezes, peca pelo excesso ‘de sangue’, por declarações infelizes, provocativas contra rivais e pelo comportamento nada diplomático. Mesmo assim, dentro do apaixonante mundo do esporte bretão, essas são igualmente ‘credenciais’ que ajudam a justificar a idolatria colorada pelo camisa 10. A ojeriza que muitos adversários nutrem por ele é ilustrativa.

Presente

Grande jogador sempre será útil. Após longo e tenebroso inverno, D’Alessandro ingressou na segunda etapa e literalmente “mudou” a cara do Inter contra o Ceará dias atrás. O gol da vitória teve o “selo” do capitão. Como armador nato, no círculo central, orquestrando o golpe fatal. O camisa 10 precisa ser utilizado cirurgicamente, talvez até iniciando no banco de reservas algumas vezes. Quando atuar, é fundamental que não tenha maiores responsabilidades defensivas. Eis um craque pontual do alto de suas 37 primaveras.

Camisa 10

Andrés Nicolás D’Alessandro honra como poucos não só a camiseta colorada, mas principalmente, o número que adotou. Afinal, não basta querer vestir a camisa 10. É preciso merecê-la! D’Alessandro é um legítimo 10. De fato e de direito. Dentro e fora de campo. Para o bem e para o mal. Para a posteridade no Inter…

 

Fotos: Internacional oficial

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *