Inter de Odair e o exercício da “Quebra de Paradigma”

Paradigma

Bola no chão, troca de passes, passagem dos laterais, alternância de posições, mobilidade ofensiva. Embora estejamos recém no início da temporada já é notório o trabalho de Odair Hellmann com o elenco do Inter. É claro que é preciso relativizar a fragilidade dos adversários. Seja no Gauchão ou na Copa do Brasil, o colorado entrou em campo, sempre, na condição de favorito. Entretanto, é inegável a evolução colorada no quesito performance, rendimento, no futebol além do resultado que gera resultado. Principalmente se compararmos com as últimas temporadas, sobretudo, com a fatídica jornada alvirrubra na Série B em 2017. Eis uma quebra de paradigma em curso.

Resumo da ópera

O segundo gol da vitória sobre o Cianorte, por 2 a 0, na Copa do Brasil, não deixa dúvidas sobre o trabalho de Odair: extrema por dentro, lateral projetado, volante pisando na área, concluindo e estufando as redes. Também é visível algumas carências do elenco, principalmente, diante as ausências de Pottker, Nico e Damião e de um camisa 2 afirmado. É fundamental que a direção saia às compras visando um rendimento satisfatório no Brasileirão. Além de continuar dando respaldo ao novo treinador, é claro!!!

Mecânica

Sem Pottker, o setor direito ofensivo quase inexistiu com o garoto Marcinho, o instável lateral Dudu e o tímido Edenílson. Na segunda etapa os três cresceram de rendimento, sobretudo o camisa 8, que precisa necessariamente participar mais da criação das jogadas, na transição e na chegada à frente. Na camisa 2 ainda existe uma lacuna. Das peças atualmente disponíveis, ainda sou mais Cláudio Winck, embora suas escancaradas fragilidades defensivas. Ou então, a consolidação de Edenílson pelo lado.

Máxima

“Lateral se forma em casa”. Após longo e tenebroso inverno, enfim, o jovem Iago volta a consagrar a máxima pelos lados do Beira Rio. O garoto novamente teve grande jornada, com direito a gol e assistências. O camisa 28 ingressa pelo meio, joga projetado, por vezes como um ponta ― invertendo com Patrick ― e participa das principais ações do time, principalmente na saída de jogo. Com isso, não seria nenhum absurdo que Uendel volte a disputar vaga no meio-campo, lembrando o início de Zago à frente do time colorado.

Camisa 1

As atuações de Marcelo Lomba fazem do arqueiro uma grata afirmação no cenário nacional. Mas do que isso: consolida a excelência do preparador de goleiros Daniel Pavão que, entre outros, foi fundamental na formação de Alisson, hoje titularíssimo na seleção de Tite e sensação europeia sob as traves.

Repertório

Contra o Remo, no Pará, o Inter chegou a usar três esquemas táticos na mesma partida. É fundamental que o treinador invista no expediente para que o 4-2-3-1 não seja a única fonte. Talvez testar um 4-4-2 com Dourado, Edenílson, Patrick (ou Uendel) e D’Alessandro. Ou então uma variação para o 3-5-2 com Edenílson na ala e Dourado entre os zagueiros? Ou ainda o 4-1-4-1 para legar mais liberdade para Edenílson? Enfim, as opções são vastas…

Futuro

Aposto no colorado de Odair no 4-2-3-1 com Edenílson na direita, Patrick de segundo volante e Wellington Silva na extrema esquerda. Pelas peças disponíveis do elenco, me parece o melhor Inter possível para o momento. É aguardar pra ver!!!

 

Fotos: Ricardo Duarte / Internacional oficial

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *