Grêmio ignora lições da Arena e Copas viram “doce consolação”

Copando

É muito “menos difícil” vencer Copas do que campeonatos. Após a derrota para o Avaí, em plena Arena, o Grêmio oficializou o que há muito tempo já era aventado: A Copa do Brasil e, sobretudo, a Libertadores, são os fetiches do tricolor gaúcho em 2017. Contra os catarinenses, Renato novamente ignorou as lições recentes na Arena e agora a distância para o líder Corinthians é de dez pontos. Mais do que nunca, o Rei de Copas terá que justificar a alcunha na temporada. As copas viraram “doce consolação”.

Resumo da ópera

Faz tempo que alertamos que o Grêmio precisa criar alternativas ao 4-2-3-1, principalmente nas partidas dentro da Arena, em que o tricolor precisa tomar as rédeas da partida. Se quiser manter a linha de três meias, é preciso ousar ao menos na escalação: recuar Ramiro e criar espaço para um homem mais agudo é uma das alternativas. Repetimos: o desafio do ano para Renato, no plano tático, é acomodar Luan, Bolaños e Barrios entre os 11.

Penalidade

Luan contra o Corinthians e, agora, Edílson. O tricolor está abusando de desperdiçar pênaltis e pagou um preço altíssimo. Está na hora de Renato oficializar Barrios como cobrador da marca da cal. Nada indica que o camisa 18 será infalível, mas ao menos, é o jogador que mais tem afinidade com as redes rivais e histórico de sucesso nas cobranças. Em tempo: jornada soberba do goleiro Douglas, responsável direito pelo insucesso tricolor.

Alertas

Alguém se surpreendeu com a postura do Avaí de jogar fechado e explorando os contragolpes? Nas últimas partidas o Grêmio tem esbarrado na obviedade. Já passou da hora da equipe aprender a jogar dentro de casa e a superar as defesas rivais. Quando mexeu, Renato errou na mudança: Arthur é o principal armador do time. Sem ele, a equipe acumulou atacantes, mas a “gorducha” não chegava.

Fernandinho

Por ingressar quase sempre bem nas partidas, pensei que Fernandinho pudesse ser titular. Ledo engano. Trata-se de um jogador SOMENTE e definitivamente de segundo tempo, tal qual era Denílson e suas pedaladas na Copa de 2002. Num elenco com fartas opções ofensivas, o camisa 21 deixou o cavalo passar encilhado. Mais do que nunca, chegou o momento de Éverton afirmar-se como 12° jogador.

Camisa 12

A eminente chegada do goleiro do Flamengo Paulo Victor, revela mais um acerto da direção capitaneada pelo presidente Romildo Bolzan Júnior. O jovem Léo e o experiente Bruno Grassi não justificaram as apostas. Ademais, o novo arqueiro deverá fazer “sombra” pela camisa 1, o que deverá aumentar a dedicação de Marcelo Grohe.

Fotos: Grêmio oficial/ Lucas Uebel

2 Comentários

  1. Jj 10 de julho de 2017 Reply
    • SAUL Teixeira SAUL Teixeira 10 de julho de 2017 Reply

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *