Grêmio e a derrota pedagógica em plena Arena

Pedagogia

Perder nunca é bom, mas às vezes é pedagógico. Foi o caso do insucesso do Grêmio na tarde deste domingo contra o líder Corinthians, em uma Arena repleta e pulsante, na capital gaúcha. O confronto era direto pela ponta da tabela e o singelo sabor de frustração é natural, mas nada de terra arrasada. O tricolor segue praticando o melhor futebol do país, mas isso está longe de ser garantia de sucesso, voltas olímpicas e taças no armário. É por isso que é preciso seguir focado, suando, concentrado e sabendo sofrer os jogos.

Resumo da ópera

O Grêmio segue encaixado e postulante a todas as competições. Mas é preciso que a euforia externa, protagonizada pela maioria da torcida e parte da imprensa, não desvie o foco do tricolor gaúcho. E mais: Renato precisa ousar, testar, experimentar. Há tempos dizemos que o Grêmio é taticamente previsível em sua estrutura disposta no 4-2-3-1, sobretudo nas partidas em casa.

Derrota anunciada

É notório a dificuldade do Grêmio em superar defesas bem armadas e quando precisa propor o jogo. Vide a vitória dramática contra o Bahia, fruto da bola parada, bem como o triunfo contra o Vasco, que foi consolidado somente no contragolpe. É por isso que Renato deveria ter aprendido com os jogos anteriores. Contra um time mais bem armado e com jogadores mais capacitados tecnicamente, o Grêmio colheu o insucesso que há tempos vinha plantando em seus domínios.

Coletiva

Em entrevista após o jogo Renato afirmou que não tem tido tempo para treinar a parte tática devido ao calendário apertado. Que tal acabar com as folgas prolongadas? Ademais, todos os atletas têm noções mínimas de tática e Portaluppi pode ao menos ensaiar algumas mudanças no dia a dia e complementar o trabalho no quadro negro, no computador e naquilo que o ex-camisa 7 é quase insuperável: no bate-papo.

Apito amigo

Os erros de arbitragem ocorrem para todos os lados, mas nas últimas partidas, o Grêmio tem levado vantagem na balança do apito. Contra o Cruzeiro, pênalti escandaloso de Kannemann “sonegado” em Sóbis. Contra o Coritiba, na última quinta-feira (22) o tricolor se livrou duas vezes graças a interpretação dos homens de preto. Contra o Corinthians, no primeiro tempo, as câmeras flagraram ‘gravata’ de Edílson em Rodriguinho. Renato precisa acabar com o ‘agarra-agarra’.

Luan

Após sequência de atuações de excelência, Luan voltou a sucumbir a marcação rival. E o pior: novamente foi incapaz de chamar a responsabilidade em um grande jogo, com caráter de decisão. Para piorar, o camisa 7 ainda desperdiçou cobrança de pênalti. Quando Luan será ‘O Cara’, o protagonista nos jogos mais complicados e que sevem, entre outros, para separar os homens dos meninos?

Futuro

Por que não dar sequência para Fernandinho na extrema direita para deixar o time mais agudo na Arena? Ou então, manter Ramiro, mas variando o time para o 4-4-2 losango, promovendo assim, o ingresso de Éverton na vaga de Pedro Rocha? Essa mecânica seria laboratório para o maior desafio de Renato em 2017: acomodar, de maneira equilibrada, Luan, Barrios e Bolaños na mesma equipe.

Foto: Lucas Uebel/Grêmio oficial

 

1 Comentário

  1. Rodrigo 25 de junho de 2017 Reply

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *